Ao falarmos de Perturbação Anti-social da Personalidade, para a maioria das pessoas, estamos a falar de uma condição médica, de foro psíquico, que não vai além de uma designação clínica que lhes é pouco familiar. Talvez, para muitos, os termos Psicopatia ou Sociopatia sejam mais comuns, devido à sua ampla utilização e divulgação a nível literário e cinematográfico, mas assumem-se igualmente distantes quanto ao seu significado real. Este tipo de Personalidade, tal como o próprio nome indica, caracteriza-se por um padrão de comportamento anti-social, de desrespeito e desconsideração pelas regras sociais e pelos direitos dos outros, bem como pela sua transgressão. E embora tal descrição nos possa levar a pensar que estamos perante pessoas com capacidades sociais deficitárias, verificamos frequentemente que tal não acontece, estando antes estas capacidades orientadas para a satisfação pessoal.

Desta forma, as estratégias de manipulação tendem a ser frequentemente utilizadas e têm como principal objectivo a obtenção de benefício próprio e prazer, mesmo que para isso os direitos dos outros não sejam tidos em conta. No que respeita ao estabelecimento de relações afetivas ou sociais, têm grandes dificuldades, e mesmo que o desejem, são incapazes de estabelecer ligações profundas e estáveis com os outros. Normalmente são pessoas muito centradas em si, com uma grande incapacidade de atender aos sentimentos dos outros ou de entender a sua perspectiva, relacionando-se esta postura com a ausência de sentimentos de culpa. E isto, em conjunção com a necessidade de satisfação pessoal imediata que possuem, pode leva-los a reagirem de forma impulsiva e muitas vezes violenta às situações que não vão ao encontro do que desejam. E assim, sem atenderem às possíveis consequências negativas dos seus atos, podem mesmo pôr a sua vida em risco, bem como a dos outros.

A desconsideração, o desrespeito e a violação das regras sociais e dos direitos dos outros tende a ter as suas primeiras manifestações ainda na infância ou início da adolescência e a persistir na idade adulta. E esse desrespeito pelas regras e pelas leis sociais pode ir ao ponto de originar comportamentos agressivos e criminosos como roubos, destruição de bens ou outras atividades ilegais. Adicionalmente, se estão também presentes problemas de abuso de álcool ou drogas, verifica-se um acentuar destes comportamentos. Por uma combinação de razões de ordem biológica e ambiental/social, algumas pessoas desenvolvem determinados traços psicológicos característicos deste tipo de personalidade. Na população em geral, a percentagem de pessoas com esta perturbação é de cerca de 3%, sendo mais frequentemente identificada em homens do que em mulheres. E, embora estejamos perante um padrão de funcionamento persistente, as suas manifestações tendem a diminuir bastante com a idade, em especial os comportamentos agressivos e criminais.

Fonte: Oficina de Psicologia