As pessoas que apresentam este tipo de perturbação de personalidade têm uma necessidade constante de atenção, demonstram comportamentos excessivamente dramáticos e o seu inicio verifica-se no começo da idade adulta. São aqueles pessoas que descreveríamos como muito emotivas, muito enérgicas, manipuladoras, sedutoras, impulsivas, inconstantes, e exigentes. Representam entre 2 a 3% da população em geral. No começo do século XX este distúrbio era conhecido por histeria e especialmente identificado entre a população feminina. Contudo, atualmente é reconhecida a sua prevalência quer em homens como em mulheres, e ambos partilham a necessidade de atenção e o protesto excessivo quando não se sentem o centro das atenções. Indivíduos com este distúrbio são ingênuos, crédulos, têm um baixo limiar de frustração, e forte dependência emocional. O seu estilo cognitivo pode ser definido como superficial carecendo de detalhes. Nas suas relações interpessoais, estes indivíduos usam a dramatização com o objectivo de impressionar os outros. O padrão persistente dos seus relacionamentos é marcado pela falta de sinceridade e intempestividade levando a um comprometimento das suas competências social e ocupacional.

Tratamentos

Para a Terapia Psicodinâmica a PHP, como outros transtornos de personalidade, pode exigir vários anos de terapia e pode acompanhar os indivíduos ao longo da sua vida. Alguns profissionais acreditam que a terapia psicanalítica é um tratamento de escolha para PHP pois auxilia o paciente a tomar consciência dos seus próprios sentimentos. A terapia psicodinâmica de longo prazo visa os conflitos latentes dos indivíduos e pretende ajudar os pacientes a diminuir sua reatividade emocional. Os terapeutas trabalham com material de sonhos temáticos relacionados com a intimidade e memórias. A terapia cognitivo-comportamental é um tratamento direcionado a reduzir os pensamentos disfuncionais de indivíduos com PHP. Tais pensamentos incluem temas sobre o "não ser capaz de cuidar de si mesmo". A terapia cognitiva para PHP incide sobre uma mudança de pensamento, global, sugestionável, por um foco mais metódico, sistemático e estruturado sobre os problemas.

O treino cognitivo-comportamental em relaxamento para um indivíduo com PHP enfatiza o desafio aos pensamentos automáticos sobre a inferioridade e o não ser capaz de lidar com a vida. A terapia cognitivo-comportamental ensina os indivíduos com PHP a identificar os pensamentos automáticos, a trabalhar o comportamento impulsivo e a desenvolver melhor as capacidades de resolução de problemas. O terapeuta comportamental emprega o treino de assertividade para ajudar estas pessoas a aprender a lidar com os seus próprios recursos. A terapia comportamental para PHP inclui técnicas como modelação e ensaio comportamental para ensinar aos pacientes o efeito do seu comportamento teatral sobre os outros num ambiente de trabalho. A terapia de grupo e o uso do Psicodrama são sugeridos para ajudar as pessoas com PHP a trabalhar as relações interpessoais. Usando o role-playing, os indivíduos com PHP podem explorar as relações interpessoais e os seus resultados para compreender melhor o processo associado a diferentes cenários.

A terapia familiar serve para treinar a afirmação ao invés do evitamento de conflitos. Os terapeutas familiares precisam ajudas as pessoas com PHP a falar diretamente com outros membros da família. A terapia familiar pode apoiar os membros da família para atender às suas próprias necessidades sem compactuar com o comportamento histriónico do indivíduo com PHP que usa a crise dramática para manter a família estreitamente ligada. A Farmacoterapia não é um tratamento de escolha para os indivíduos com PHP a menos que este ocorra em simultâneo com outra perturbação. Por exemplo, se PHP ocorre com a depressão, os antidepressivos podem ser prescritos.

Prognóstico

As características de personalidade dos indivíduos com PHP são de longa duração. As pessoas com este distúrbio utilizam os serviços médicos com frequência, mas geralmente não permanecem em tratamento psicoterapêutico tempo suficiente para produzir alterações.
O tratamento para PHP pode ter um mínimo de 1-3 anos.

Fonte: Oficina de Psicologia