A psicologia hospitalar constitui-se no objeto de estudo deste artigo discorrendo sobre o tema pelo qual possui uma abordagem eminentemente bibliográfica destacando a psicologia hospitalar como ferramenta no atendimento em caso de transtorno puerperal. Delineando o aspecto patológico, faz-se necessário buscar o entendimento biopsicossocial do processo de desenvolvimento feminino; suas histórias de subordinação e discriminação, seu ingresso no mercado de trabalho, bem como sua forma de conduzir as atribuições talhadas pelo processo dominante-dominado. Nesse contexto, com a busca do equilíbrio social, a mulher tende a desenvolver um stress que pode desencadear uma depressão, podendo ser ainda, iniciada no puerpério.

O puerpério, fase de grandes alterações no corpo feminino, bem como nos contextos psicológico e social, pode trazer riscos quanto ao surgimento de complicações psiquiátricas. Tais complicações podem ser diagnosticadas através de distúrbios psiquiátricos e classificadas como Depressão Puerperal, Psicose Puerperal e Tristeza / Depressão Pós Parto, tendo em vista a instabilidade no quadro emocional com alternância de humor, ficando a variação entre euforia e depressão. Seu quadro tem uma duração média de seis semanas.

O período representa um momento único na vida da mulher, por surgirem acontecimentos subjetivos no tocante aos anseios, atenções, planejamentos, expectativas, projeções face ao nascimento de uma criança. Pode ocorrer desfecho saudável se fatores determinantemente positivos assolarem seu contexto familiar, seu desejo pela gravidez, principalmente efetuado pelo casal, uma vez que o homem tem um importante papel, pois vivencia sensações e emoções.

Atualmente, com a mulher inserida em todos os âmbitos - familiar, social, trabalhista -, podendo ressalvar a aceleração rítmica por constar-se como mantenedora familiar, e, em muitos casos com jornadas extensas, agrega um comportamento de estresse e, tal comportamento, pode-se levar como um dos fatores prioritários para o desencadeamento de uma Depressão Puerperal.

Fonte: Psicologado