Afirma-se que, no geral, os profissionais que mais sofrem com sintomas de estresse advindos do trabalho são aqueles que atuam na saúde e na segurança pública. Carvalho & Malagris realizaram um estudo em que avaliaram profissionais da saúde, em que maioria dos sujeitos que foram diagnosticados com estresse fazem parte da equipe assistencialista, o que quer dizer que, aqueles que lidam direto com o cuidado da população em geral, são os que podem mais apresentar sintomas de cansaço, fadiga, incômodos estomacais, tonturas, dentre outras manifestações psicossomáticas. (Carvalho & Malagris, 2007).

Aqueles profissionais da saúde que lidam direto com o doente, não estão isentos do sofrimento psíquico, bem como são um grupo de risco para o aparecimento de psicopatologias, tais como a depressão, estresse, dentre outros.

Diante disso, o papel do psicólogo é de atuar junto à equipe, em atendimentos individuais ou em grupo, para que estes profissionais possam ter um momento de diminuição de estresse, de forma a falar e pensar sobre si, com o objetivo de modificar sua conduta para redução de danos advindos da prática hospitalar.

Uma escuta especializada é de suma importância para aquele profissional que lida o tempo todo com situações de dor e risco, essa necessidade é comprovada por Carvalho & Malagris (2007), que evidencia a presença de sintomas de estresse em sua pesquisa. Espera-se que o Psicólogo no hospital esteja sempre presente e atuante, pois, inclusive para que o serviço de saúde seja oferecido com qualidade, os profissionais que o realizam tem que estar bem afetivamente.

Referência: Carvalho, L., & Malagris, L. E. (2007). Avaliação do nível de stress em profissionais de saúde. Estudos e Pesquisas em Psicologia , 570-582.