Trabalho como Gestor de Recursos Humanos de uma empresa comercial em Goiânia, capital de Goiás, onde recebo semanalmente centenas de currículos para triagem, de vagas que variam desde partes operacionais às partes técnicas que exigem maior formação. O mais interessante é notar que cada currículo me diz um pouco sobre o nível de desenvolvimento pessoal e profissional das pessoas que se candidatam às vagas: Há currículos que são copiados dos modelos da internet e não sofrem maiores alterações, há currículos personalizados que são como marca registrada da autenticidade e originalidade de quem o faz, e muitos outros.

Esta experiência com currículos me faz ver coisas interessantes e aprender sempre mais sobre o ser humano. Neste sentido, um dos pontos mais controversos sobre a confecção desta "carta de apresentação" é sobre colocar ou não colocar fotos, pois uma foto mal colocada pode terminar o processo seletivo de alguém mais cedo - Esta semana deparei-me com um destes casos: Em uma vaga oferecida para estagiário de psicologia (por incrível que pareça), recebo um currículo de uma jovem de 20 anos, com uma foto ao estilo "selfie", na frente do espelho e fazendo o "biquinho" típico desta modalidade de foto. Foi o fim de seu processo seletivo.

Ao colocar a foto de uma pessoa em um currículo a pessoa deve passar sobriedade, segurança e boa apresentação, por isso, uma foto informal é sempre ponto negativo. Por isso é importante nomear algumas dicas sobre fotos no currículo: Em primeiro lugar, caso a vaga não exija foto, não há necessidade de colocá-la, pois a maioria dos cargos hoje são definidos não pela qualidade estética mas sim pelas habilidades de uma pessoa. Outra coisa que na se deve fazer nunca é, tirar fotos demasiadamente informais, fazendo caretas, com roupas não discretas e etc.

Mas porque dessa "besteira" toda? Simples, porque sua imagem é parte de uma projeção de sua personalidade, logo há que se ter cuidado de não passarmos uma primeira impressão errada.

A moda das foto "selfies" é algo que tem sobrecarregado as redes sociais, e que no momento tem chegado aos currículos. É muito difícil não pensar que o excesso de autorretratos seja algo que indique para qualquer problema de autoestima, como o narcisismo por exemplo. Logo, o que se deve fazer é: Evitar selfies em currículos, pois elas estão ligadas à uma imagem demasiadamente informal para o mercado de trabalho.

Fonte: Colunista Murillo Rodrigues