O conceito de Auto-eco-organização é de autoria de Morin (2007) e expressa uma nova maneira de enxergar a indissociabilidade entre o sujeito e mundo. Para compreender esta ideia, há que se referir também há outro conceito, que o do Princípio Hologramático, que é o que afirma que a mais infinitesimal parte contém todos os elementos do todo. Ou seja, é uma forma de compreender que, o sujeito está no mundo, mas o mundo está no sujeito, em uma relação recíproca de constitucionalidade.

Isso quer dizer que o ser humano se organiza conforme se relaciona com o ambiente em que vive, e isso tem por consequência, efeito em seu comportamento. Por exemplo: O "Ciclo Circadiano" é um conceito importante para entendermos a ideia de auto-eco-organização, pois este nos dá a mostra de como a luz solar, por exemplo, regula nossos tempos de sono-vigília (isso porque organizamos o nosso "estar acordado", geralmente, para coincidir com a luz do dia). O mesmo pode ocorrer em relação ao humor do ser humano quando, por exemplo, em países nórdicos, as pessoas são mais propensas à depressão em períodos de inverno (tal fenômeno se conhece por "Depressão Sazonal de Inverno"), justamente pela falta de sol que enfrentam – Isso porque a estrutura de nosso corpo que é responsável por tal relógio se localiza no Hipotálamo (região cerebral) e é conhecida por Núcleo Supraquiasmático, sendo uma área estimulada através de fótons (Luz), que são recebidas através dos olhos e decodificados como informações importantes no cérebro.

Outro exemplo importante é o efeito do tempo é conhecido pelas mulheres: A menstruação! Ela possui um ritmo, um ciclo, e este é responsável por alterar, inclusive, desejos sexuais, humor, relações interpessoais, tudo por conta da regulação hormonal... Além de causar cólicas e outras intempéries que a poderiam caracterizar como "um esquema de punição intermitente de razão fixa"... Este ritmo, geralmente próximo ao mensal (daí o nome "MENS-truração", do latim mestrumms) faz parte dos ciclos ultradianos.

Ou seja, esta série de ciclos, nada mais é do que uma das maneiras como nos relacionamos com o mundo (e ele conosco), e como isso afeta (ou até determina) o nosso comportamento e a maneira como estruturamos a nossa organização psicológica. Tal conceito é extremamente importante pois dá conta da existência de diversas instâncias que afluem na formação da personalidade e do comportamento humano como se estes fossem um imenso quebra cabeças que só fizesse sentido quando completo: Todas as peças são necessárias para compreendê-lo, e isso só será feito na medida em que compuserem um todo. Daí a necessidade de reorientarmos a nossa ciência de um paradigma que simplifica e reduz o objeto, para um paradigma que amplia a visão sobre ele, pois, olhando para a peça, perde-se a "Gestalt" (forma) do todo, o que altera grandemente a nossa forma de ver o mundo.

Mas o conceito de Auto-Eco-Organização não se relaciona somente com o tempo: Ele pode estar relacionado também à maneira como nos relacionamos com a topografia do local onde vivemos - os esquimós, por exemplo, se comportam de maneira diferente do que os beduínos que vivem nos desertos. E tal conceito também pode ser compreendido nas dinâmicas das relações humanas, afinal de contas, o conjunto de relações em que vivemos forma uma grande teia de relações humanas.

Este conceito nos indica a ideia da multideterminação do comportamento humano. Esta que foi abordada, de várias maneiras, sob pontos de vista, linguagens, epistemologias e metodologias diferentes: Kurt Lewin (1890-1947) ao escrever a teoria de campo; Carl Gustav Jung (1875-1961) ao defender que o homem não era governado por um "único princípio psicológico" (como o do prazer freudiano, ou do poder adleriano); Lev Vigotski (1896-1934) ao teorizar sobre as entradas do desenvolvimento; Urie Bronfrembrener (1917-2005) ao escrever a teoria contextual, dentro inúmeros outros. Ou seja, o problema da mutlideterminação do comportamento feat. psiquismo humano já tem sido apontado por vários autores, mesmo que sob teorias conflitantes, mas representando um princípio geral.

Tais ideias fazem parte do Paradigma da Complexidade, que é pensado para um reforma do pensamento no século XXI, de modo a unir ramos do conhecimento que parecem desconectados, mas que quando juntos fornecem um grande e nova compreensão para o conhecimento: Este ensaio por exemplo, foi escrito sob as mãos da Psicologia, Neurologia, Cronobiologia, Linguística e Filosofia, para fornecer uma nova compreensão de, como coisas, mesmo que pareçam muito distantes (Afinal de contas, o que o sol tem a ver com a depressão?!) podem afetar o comportamento humano. Por isso, há sim, que se repensar nossa visão, sobre o que conhecemos por psicologia no século XXI.

Referência

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo. 3ª Ed. Porto Alegre: Sulina.

----------------------------------

Imagem: Extraída do Google Imagens

----------------------------------

Fonte: Rede Goiana de Psicologia