A história da humanidade está repleta de passagens onde o adultério foi cena principal: Casos famosos de traição amorosa são vários, desde o de Dalila, traindo Sansão na Palestina no século XI a. C., aos contemporâneos, como os casos do príncipe Charles da Inglaterra, que traiu a princesa Diana ou do presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, com uma de suas secretárias, Mônica Lewinsky. Apesar de ser um fenômeno relativamente comum na história da humanidade, não se tem notícias de uma civilização que o considerasse normal.

Mesmo na antiguidade, com alguns povos mantendo tradições de concubinato ou poligamia/poliandria, relações sexuais fora de contratos sociais eram consideradas nocivas e passíveis de punição: Sociedades semitas puniam, e ainda hoje, algumas sociedades orientais, punem o adultério com apedrejamento até a morte (entre outras modalidades). Mas porque isso acontecia ia muito além do direito teocrático, ligado à moral religiosa - Em uma época em que o machismo era status quo, uma regra quase universal, as mulheres sofriam maior dano a qualquer violação da regra da fidelidade matrimonial: As mulheres eram consideradas propriedades dos maridos, não podiam trabalhar e possuíam a vida social muito privada, e o casamento à época era um verdadeiro contrato social, onde além do pagamento do dote por parte do noivo ou da noiva, a mulher era entregue totalmente à mercê do sustento do homem. Qualquer caso de "abandono" da mulher por parte do homem poderia ser uma sentença de morte para a esposa. Daí a necessidade de se terem bem reguladas as relações afetivo/sexuais entre as pessoas.

Mas não é o objetivo deste texto entrar no mérito histórico ou moral do fenômeno do adultério, muito menos investigar as possíveis causas para o mesmo, mas realizar uma pequena reflexão sobre as consequências psicológicas de tal ato.

Existe uma frase de Vigotski, escrita em seu texto "Psicologia Humana Concreta" que ilustra bem o que quero dizer:

"Nos tornamos nós mesmos através dos outros" Vigotski (1929/1986, p. 67)

O que o autor queria dizer com este fragmento é que nos constituímos enquanto indivíduos com base na nossa relação com os outros, e que as ações que tomamos ou que os outros tomam, repercutem mutuamente uns nos outros. O que é notável na psicologia vigotskiana é o fato de que a dialética é um de seus pilares e, seguindo esta ideia, podemos dizer que, da mesma forma, nos relacionamos com o outro com base em nós mesmos: Nossos medos, angústias, limitações, alegrias, todas são refletidas nos outros. É o que a psicanálise nomeou de mecanismo de projeção (Fenichel, 1981): Nós atribuímos aos outros às nossas próprias "questões psicológicas", sejam pensamentos, emoções ou desejos; e é neste ponto que devemos entrar.

Já é sabido que a pessoa traída geralmente é acometida de pensamentos destrutivos, depressivos, depreciativos a respeito de si ou do parceiro, sente raiva, ódio, angústia e muitos outros sentimentos considerados negativos, sendo um processo de "luto sentimental" natural após ver-se na situação de ser traído. Todavia, o que se passa com os sentimentos de um traidor?

Muitos poderiam pensar que esta pessoa se encontra em um estado mais cômodo ou confortável, pelo fato de não ter sido o passivo da traição, e é neste ponto que eu devo discordar. Em primeiro lugar, devemos desfazer o pensamento hollywoodiano da vítima e do algoz da traição, afinal de contas, as pessoas só o são se colocarem-se nesta posição, pois há muitas maneiras de ser sujeito de suas próprias emoções/pensamentos neste processo. Não que isso queira dizer que, a traição seja um ato aceitável por parte de qualquer um dos lados, pois rompe-se um contrato psicológico, um contrato emocional, que foi acordado de bom grado entre duas partes, e isso em si não é uma coisa simples ou corriqueira. Pois bem, a segunda coisa que deve-se desmistificar é que a pessoa que trai não sente os efeitos da traição, ou que não é passível dela: A traição não é feita contra uma pessoa, mas contra o relacionamento das duas pessoas. E quem quebra este vínculo, com certeza irá sentir a dor das perdas do fato.

Mas o que de fato o traidor perde: Além do vínculo de confiança com o parceiro, ele perde o vínculo de confiança consigo mesmo. Levando em consideração o mesmo mecanismo da projeção, basicamente, pode ocorrer o seguinte "pensamento" (não encontrei outro termo para essa dinâmica) inconsciente: "Se eu que me conheço fui capaz de trair minha/meu esposa/esposo, como posso confiar nela/nele?!", e assim cria-se uma relação de desconfiança. O passo natural para isso é transferir a sua desconfiança para todos os relacionamentos possíveis, até quebrar tal ciclo, com muita terapia.

Neste sentido, um traidor pode (e note que sempre uso as afirmativas em tom de possibilidade, pois cada caso é um caso) ser uma pessoa que irá ter a desconfiança como um dos nortes das relações de sua vida, o que pode levar a sua vida à um verdadeiro inferno emocional, e daí ao surgimento desde os ciúmes patológicos às formas mais variadas de neuroses.

O que devemos refletir com este texto é o seguinte: Contratos emocionais são coisas muito importantes, e só devem ser quebrados se isso for de mútuo conhecimento (note que nem digo consentimento, pois nenhum ser humano é saudável sendo obrigado a viver sobre qualquer jugo), sendo que, se uma pessoa quiser ser feliz, ou ter relacionamentos estáveis, deve aprender a respeitar os contratos emocionais a que se obriga (seja namoro, casamento, etc), como sinal de própria maturidade emocional, ou de ser sujeito de seus próprios desejos.

Referências

Fenichel, O. (1981). Teoria psicanalítica das neuroses. São Paulo: Atheneu.

Vigotski, L. S. (1986). Concrete Human Psychology. Soviet Psychology, 27(2), 53-77.

Fonte: Rede Goiana de Psicologia