Minha decisão de retornar à academia se deve ao fato de observar, na prática, a importância da família na inclusão escolar e social de crianças com deficiência.

Uma das questões que exercem maior influencia sobre o desenvolvimento da criança é o quanto as famílias sentem-se seguras e autônomas no cuidado com seus filhos e o quanto possuem de informações sobre serviços que seus filhos podem acessar e sobre seus direitos. Trata-se de uma dimensão de militância, que passa a não envolver apenas o filho, mas a luta em prol de um grupo, da garantia de direito de minorias.

É fundamental que todos os profissionais que atuam nos serviços de educação especial (escolas, centros especializados), ao promover orientações a familiares de crianças com deficiência, levem em conta o "empoderamento", que é justamente um estado de sentir-se "com poder". É a tranquilidade que a família tem de questionar e participar do processo educativo pelo qual passa seu filho, é a informação sobre qual a real necessidade dele e o melhor serviço para atendê-la, e a habilidade de mobilizar outrem na luta pelo acesso e garantia de direitos!

Empoderar significa habilitar as famílias a desenvolverem suas próprias estratégias de enfrentamento do dia a dia, das demandas de cuidados relativas aos seus filhos. Empoderar significa promover a reflexão ativa e a mobilização política das famílias.

Fonte: CIPE