Muitas das certezas e das categorias psicológicas que temos hoje não estava presentes na sociedade 100 anos atrás; e se formos além, outras dezenas de centenas de anos atrás, nos espantaremos ainda mais com a ausência de coisas que para nós são tão naturais. Um dos mitos mais interessantes que possuímos, no senso comum, é o do amor materno: Badinter (1985) foi uma das teóricas que desenvolveu a ideia de que o amor materno nada mais era do que um mito insustentável, pois não se tratava de um sentimento inato, mas de um sentimento que seria evolutiva e socialmente construído. E com base nesta ideia central, vários teóricos discorreram sobre o tema, desde a psicanálise à psicologia evolucionista.

O exemplo acima citado é somente um dos mais gritantes e que mais assusta os leigos ao primeiro ponto de vista, mas existem diversos outros sendo que um deles, se tornou objeto deste texto: A infância.

A infância, como hoje a conhecemos, não existia antes do século XVI, e só se tornou possível graças a duas questões: A criação da Escola e da Família Nuclear Moderna (Ferreira, 2006). Anteriormente a isto, se fizermos uma reconstrução histórica, veremos que nas sociedades anteriores, não havia uma representação social do que seria uma infância: as crianças que sobreviviam à fome, peste ou a guerra, eram logo enviadas para "missões" para aprenderem a serem guerreiras, caçadoras, coletoras, agricultoras. E assim foi desde as sociedades mais tribais, até a Idade Média.

Em grande parte das comunidades antigas, as "crianças" eram enviadas para serem criadas pelas "Amas de Leite", talvez como uma das maneiras de evitar com que as mães da época sofressem com as penas emocionais da alta taxa de mortalidade infantil. As que sobrevivessem até os 4 ou 5 anos, eram enviadas de volta para os lares para passarem por um período de treinamento, que se resumiam às habilidades sociais desejadas às épocas.

Vários são os pontos que reforçam esta tese, segundo Ferreira (2006), como por exemplo o fato de que não havia separação dos espaços da casa para crianças e adultos, o que fazia com que os filhos estivessem totalmente expostos a vida sexual dos pais, por exemplo; Também não havia nenhum tipo de literatura específica voltada para as crianças, sendo comuns com que aprendessem com as mitologias dos adultos, ou as tragédias, bem como clássicos filosóficos como os diálogos platônicos; Outro ponto é que não havia uma pedagogia para as crianças, sendo que as poucas escolas que existiam na época não separavam os alunos por idades; Nas guerras era comum (e ainda é em algumas sociedades atuais) que crianças empunhassem armas como soldados.

Mas o quadro comela a reverter-se a partir do século XVI, com a possibilidade de apego fornecida pela diminuição da mortalidade infantil, assim como peça ética católica de um grupo de padres que apregoavam uma suposta inocência nos primeiros anos de vida: aqui se estabelece a pureza como essência moral, que seria algo original nas crianças. E assim funda-se uma nova ideia psicológica para a periodização do desenvolvimento humano.

Outro exemplo moderno que podemos citar aqui é o da existência de "psicopatas" infanto-juvenis, que desafiam a lógica da moral da pureza católica instaurada na psicologia. Mesmo que se trate de casos aparentemente raros ou isolados, a possibilidade da existência destes mostra-se como um desafio à ideia da pureza original das crianças.

Ou seja, a categoria "infância" como a conhecemos hoje, possui muito mais elementos do que o senso comum poderia imaginar, e a nós como psicólogos cabe compreender estes movimentos de constituição de categorias históricas das quais tratamos como tão certas, mas que são mais um exemplo da capacidade humana de organizar-se para a vida social.

Referências

Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: o mito do amor materno (W. Dutra, Trad.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Ferreira, A. A. L. (2006). O múltiplo surgimento da psicologia. Em, Ferreira, A. A. L., & Jacó-Vilelra, A. M. (Orgs). História da psicologia: rumos e percursos. Rio de Janeiro: Editora Nau, pp. 13-46.

Imagem: Extraída do Google Imagens.

Fonte: Rede Goiana de Psicologia