A avaliação psicológica deve ser compreendida como um processo, que não se limita a um único instrumental ou apenas à testagem, mas integra diferentes momentos que vão desde a observação, anamnese, aplicação e análise dos instrumentos. A psicologia no campo da saúde vem se constituindo como uma das formas de se compreender as multideterminações do adoecimento, suas repercussões para o individuo e as maneiras pelas quais este pode obter um funcionamento saudável.

A avaliação psicológica no contexto da saúde busca a análise concreta do paciente e de suas particularidades . Neste processo, é necessário que o profissional possua, além da competência teórica e ética, compreensão acerca do contexto específico no qual está atuando. Nesta especificidade um grande desafio é a superação do modelo biomédico centrado na doença.

A importância de se avaliar o paciente adequadamente do ponto de vista psicológico reside no fato de isto se torna uma rica ferramenta na apropriação de decisões a respeito do diagnóstico diferencial, tipo de tratamento necessário e prognóstico, além de possibilitar a intervenção clínico-assitencial.

Enfim, o desenvolvimento de protocolos de avaliação de pacientes é fundamental para o desenvolvimento de guias de tratamento mais eficientes. A saúde não se resume à ausência de doença e ao bem-estar físico, mas um estado multidimensional que envolve três domínios: a saúde física, psicológica e social. A psicologia na saúde tem como campo de pesquisa e de intervenção a interface dos três domínios, objetivando o estado completo de bem-estar físico, mental e social.

Ressalta-se que a avaliação proposta também deve levar em consideração as peculiaridades do sistema de saúde, bem como os suportes sociais/familiares que o paciente vem recebendo, a fim de contextualizar o tipo de avaliação psicológica e, conseqüentemente o tipo de intervenção mais adequada.

Autora: Stéfany Bruna