A atuação do(a) profissional de Psicologia na Política de Assistência Social já é bastante consolidada no Brasil, mas é a partir do estabelecimento do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), em 2004, que a Política Nacional de Assistência Social se materializa em política pública, com oferta de serviços e benefícios para a população que dela necessite.

Nesses 10 anos de implantação do SUAS, e com o consequente aumento da sua robustez institucional, várias demandas vêm sendo apresentadas pelos profissionais de psicologia na Assistência Social para as diversas instituições que os representam. Diante disso, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) tem produzido, ao longo desse tempo, ações que se voltaram para:

– Representação dos profissionais nas instâncias que compartilham a gestão da política de assistência social, como o Conselho Nacional de Assistência Social;

– Produção de Referências Técnicas e Orientações para a atuação do Psicólogo e Psicóloga no SUAS;

– Intermediação da produção de conhecimento acadêmico e as práticas profissionais;

– Mapeamento dessas práticas profissionais, considerando a diversidade da realidade do SUAS no Brasil.

Conforme o Censo SUAS 2013, realizado pelo Ministério de Desenvolvimento Social, são 22.882 psicólogos e psicólogas atuando na Política de Assistência Social em todo o Brasil, considerando os serviços em unidades públicas estatais e gestão do SUAS – o que representa o segundo maior segmento dos profissionais de nível superior dessa política pública. Ao considerar o número de 251.065 psicólogos ativos no Brasil, esse campo representaria 9,11% dos psicólogos. Os desafios têm o tamanho de nossa representação e nos apontam quatro focos de ação:

a) Atuação Profissional;

b) Relações e Condições do Trabalho;

c) Organização Ético-Política do Profissional;

d) Defesa e Fortalecimento dos Direitos de Proteção Socioassistenciais.

Assim, em 2014, foi criada a Comissão Nacional de Psicologia na Assistência Social, que funcionará com núcleo executivo, promovendo reuniões ampliadas com a participação de convidados e representantes de Conselhos Regionais.

As ações propostas para os anos 2015 e 2016 visam à consecução dos seguintes objetivos:

# Identificar e relacionar-se com os psicólogos e psicólogas que atuam no SUAS;

# Sistematizar práticas profissionais em diálogo com as especificidades do campo de atuação e realidades regionais visando o estabelecimento, de forma afirmativa, do papel do profissional de psicologia;

# Propiciar o compartilhamento das experiências profissionais;

# Mapear as condições e relações de trabalho dos psicólogos e psicólogas no SUAS;

# Construir histórico da psicologia no campo de atuação da assistência social;

# Aprofundar o entendimento sobre as práticas interdisciplinares da atuação no SUAS, produzindo (atualizando ou revisando) orientações técnicas para a atuação profissional da psicóloga e considerando o marco legal da política e as práticas profissionais;

# Ampliar e consolidar a representação dos psicólogos nas diversas instâncias e organizações que compartilham a gestão do SUAS, a exemplo do Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS, do Fórum Nacional dos Trabalhadores do SUAS – FNTSUAS, da Mesa Nacional de Gestão do Trabalho do SUAS/Mesa de Negociação, sem prejuízos do acompanhamento e monitoramento de outros espaços de formulação e debate sobre a política;

# Promover o debate junto aos psicólogos (a) sobre a Política Nacional da Assistência Social visando a ampliação da compreensão do papel da psicologia no campo das políticas públicas protetivas.

Fonte: Rede Psi