A adolescência é uma fase do desenvolvimento humana definida legalmente pelo Estatuto da Criança e do Adolescente como entre 12 e 18 anos. Apesar das didáticas fases do desenvolvimento humano, estas não podem se restringir a uma delimitação biológica ou cronológica, visto que o desenvolvimento é um processo complexo e dialético que envolve aspectos sociais e psicológicos. Todavia, sem rigidez, pode-se delimitar fases enquanto momentos específicos em que ocorrem mudanças e alterações características, sendo a adolescência uma delas.

A adolescência marca um período de grandes mudanças biológicas, conhecida como puberdade. Em paralelo a essas alterações físicas, o adolescente passa por um momento de desenvolvimento cognitivo e progresso no pensamento abstrato. As mudanças psicossociais vivenciadas estão relacionadas à ampliação da esfera familiar na busca por novas referências e formação da identidade. Neste contexto, identificamos um comportamento típico: o comportamento gregário. No contato com novos grupos surgirão grandes dilemas para o adolescente, o que pode repercurtir em conflitos existenciais, religiosos, sexuais, etc.

Diante dessas e outras tantas mudanças pode-se compreender a crise que se vivencia nesta fase. Aqui como em outras situações, crise deve ser vista como ruptura do equilíbrio, como uma desorganização em resposta as alterações do meio. Assim, mais do que rotular o adolescente como rebelde ou problemático, deve-se compreender a "crise normal da adolescência" como um momento em que se vivencia lutos (perda do corpo infantil, perda dos pais idealizados na infância, etc) e conflitos, sendo fundamental o apoio e auxílio social para lidar com todas as necessárias transformações.

REFERÊNCIAS

CALLIGARES, C. A Adolescência. São Paulo: Publifolha, 2000.

Autora: Stéfany Bruna